Siga-me por e-mail

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Morre um profeta

Morreu no último dia 27, aos 79 anos, o reverendo David Wilkerson, vítima de trágico acidente de trânsito no estado do Texas, Estados Unidos, quando o veículo que dirigia colidiu de frente com um caminhão. Sua esposa, Gwen Wilkerson, de 70 anos, sobreviveu por estar usando o cinto de segurança.
David Wilkerson era pastor fundador da Times Square Church in New York City e fundador do Desafio Jovem, entidade internacional dedicada a recuperar jovens do mundo das drogas e do crime. Wilkerson alcançou reconhecimento mundial por seu incansável trabalho na evangelização de drogados e jovens marginais.
O reverendo David Wilkerson também era escritor. Entre seus livros, talvez o mais conhecido pelos brasileiros seja A cruz e o punhal, que relata os primeiros anos de seu ministério. 
Wilkerson foi, com certerza, um dos grandes profetas de nossos dias. Em seus últimos sermões, vinha conclamando o povo americano ao arrependimento e conversão à Deus como forma de evitar o iminente juízo e destruição da nação. Ele cobrava uma atitude mais enérgica da parte dos cristãos diante do avanço dos modismos pós-modernos que invadem as igrejas. Em uma de suas mensagens afirmou: “Nós nos agarramos a nossas retóricas religiosas e conversas sobre avivamento, mas nos tornamos tão passivos! A verdadeira paixão nasce da angústia. Toda verdadeira paixão por Cristo vem de um batismo de angústia”. 
Pat Robertson definiu Wilkerson como "Um homem tremendo". Sabemos que o reverendo Wilkerson descansa no Senhor, mas não podemos deixar de lamentar tamanha perda, justamente no momento em que a igreja americana passa por uma profunda crise espiritual, clamando às nações pelo envio de missionários que auxiliem a igreja a retomar seu caminho.
A morte calou a voz do profeta. Não permitamos que seu exemplo de vida digna e paixão pela verdadeira Igreja se perca. Sigamos seu exemplo e levantemo-nos como vozes proféticas a ecoar nestes tempos tenebrosos em que vivemos, bradando a mensagem da cruz.

Nenhum comentário: